Bicentenário!

Que os argentinos são patriotas, isso todos os brasileiros falam. Aqui essa impressão é mais marcante ainda. Não sei se é a nossa falta de interesse pela política brasileira ou se são as energias da Copa do Mundo se esvaindo por cada poro do povo aqui de baixo, mas que se nota um patriotismo incrível em cada lugar que se passa, isso se nota.

São os cachorros com coleira azul e branca na esquina con las calles La Rioja y San Jeronimo, os broches pregados no peito dos estudantes que sobem no ônibus da linha 2 rumo ao campus do Pozo da UNL, em sinal de memória do ato da Revolução de 25 de Mayo, ou simplesmente um simples chico de Mendoza me perguntando sobre a política do Lula e o que eu acho dela.

não tenho foto de um cachorro na esquina da La Rioja mas tenho da Luiza tomando um mate 🙂

E falando em Revolução, nesse último 25, terça, foi comemorado o bicentenário da independência da Argentina. Na verdade, a independência aconteceu no dia 9 de Julho de 1816 mas foi em 25 de Maio de 1810 que se deu o pontapé inicial à revolução que se encaminhou rumos à independência.

Com isso, não preciso nem comentar a mobilização do país para comemorar a data… um pessoal aqui da residencia foi à Buenos Aires pra participar dos shows e festas que se deu lá enquanto que aqui em Santa Fé tivemos comemorações mais modestas. Um desfile na praça 25 de Mayo e um show no Parque Sur pela manhã, aos quais eu não assisti porque só fui lá depois com mais um grupo da casa, curtir o fim do dia nos gramados junto com muitos outros santafesinos.

chicas guapas en el parque

as sociólogas do grupo em ação

Pero sabe la mayoria qué se celebra cuándo se tiren fuegos artificiales en la Plaza de Mayo?

25 de Mayo de 1810 é o marco do rompimento com a ordem colonial do Rio da Prata, quando pela primeira vez se monta um autogoverno, mas o fato não ocorreu de forma isolada se não como um processo estreitamente ligado ao processo revolucionário americano. Argentina foi um país pensando como uma alternativa, ao sul, aos Estados Unidos e isso não levou a nada. Não conseguiram se definir como um país e desde então há sofrido um processo de decadência progressivo.

“…1810 no es el nacimiento de la Nación argentina como tal sino que es parte del proceso de su construcción, dificultosamente resuelto y recién consolidado hacia fines del siglo XIX. Por qué celebrar entonces el 25 de Mayo? Porque mayo tiene la fuerza de mostrar la capacidad de hacerse cargo de los destinos de una sociedad.”

anarquismo e Juan de Garay juntos no dia da Revolução

Argentina é um país que sempre teve um crescimento enorme em termos de desigualdade, incerto dentro do continente mais desigual do planeta. E agora, o povo chega ao bicentenário pensado e repensado a partir dos centros, onde as periferias não têm muito o que dizer em relação à construção de um cenário social e territorialmente mais coeso.

Desde os aspectos político, social e cultural o Bicentenário é mencionado mas com pouco reflexão sobre o tema. Nem todos se lembram dos ideais de revolução, emancipação, igualdade e soberanía que tinham aqueles revolucionário em princípios do século XIX, se bem que nem na época esse pensamento era bem disseminado, ficando isolado apenas no meio elitizado onde se pregava uma demorcracia onde só os poderosos tomavam as decisões.

plaza 25 de Mayo

Tudo bem que estou eu aqui, sentanda da minha “silla” no comedor da residencia, às 3:19 da tarde do dia 27 de Mayo, com minha roupa de escalada enquanto o Alejandro e Bárbara dão gargalhadas na cozinha com mais outras pessoas, e Jordi estuda em seu computador e Camila come um prato de vagem, abobrinha e tomate silenciosamente ao meu lado.

Pode parecer banal ou que eu sou uma “péla-saco” da militancia ou do senso revolucionário na Argentina, mas na verdade, pelo simples fato de estar aqui, me sinto um pouco parte de todo o contexto, e acho legal que pelo menos boa parte da população se proponha a repensar assuntos pertinentes à evolução de uma política e um bem-estar. Nada melhor que uma data forte como essa pra reacender o sentimento. E, como se não bastasse, pra acender mais ainda o fogo, temos a Copa do Mundo em menos de 20 dias.

Hasta el Mundial, hermanos!

Pelé es mejor que Maradona, prontofalei.

eu, gatinha, em versão argentina. Viva o mate!

Fonte: “El Paraninfo”, año 7, n. 66, mayo de 2010.

Residencia Estudantil

Hola pueblo y puebla!!

Hace mucho tiempo que no escribo acá por lo tanto creo que los devo alguna satisfación rs

Sim, há um tempo que quero fazer um relato sobre a vivencia de morar con 34 intercambistas numa casa que parece mais uma grande Vila do Chaves. Já com dois meses de casa, são muitas as histórias…

…sessões de filmes pelas madrugadas, churrasco às 8 da manhã, gente que não lava a pilha de louça suja, aqueles que roubam o papel higienico de outrém, sala de estudos com pessoas realmente estudando, viagens, acampamentos, aulas de espanhol, jantares, desayuno, pilates, mural do desabafo…

achei interessante fazer uma compilação visual das experiencias cotidianas (e hilárias!) que todos suelen encontrar mientras vivem y dormen en la residencia para alumnos extranjeros de la calle 9 de julio, 2655.

Segue a galeria. Bom divertimento 🙂