Como assim índios no poder?

A Bolivia vive um momento muito especial atualmente. Mas como a História não é um caminho tranquilo, os trancos são muitos e os barrancos ainda bem altos para a Revolução Democrática e Cultural boliviana.

O termo – Revolução – pode espantar muitos mas para quem está acompanhando de perto, não resta dúvida: a bolivia está sendo refundada à favor das gentes que, desde a chegada do europeu em nossas terras, nunca mais foram levadas em conta.

Agitação social em La Paz, Janeiro de 2010

“Ué, mas isso não pode estar acontecendo! Cadê a ditadura do proletariado boliviano então?” – diriam alguns. ” Na Bolivia? Aquele país tão pequeno e sem tradição não tem como dar o exemplo pra gente, né?” – diriam outros. Estas e muitas outras indagações cristalizam o eurocentrismo onipresente em nosso pensamento hà tanto colonizado.

Queiram os manuais “marxistas-ortodoxos” e franco-americanos ou não, aqui quem encabeça a mudança são os povos originários . Foram estes que bancaram o questionamento ao modelo neoliberal implantado na Bolivia e trouxeram boas novas – e um projeto de nação indigena e popular – para los de abajo após a perda da vitalidade do movimento operário boliviano.

É que a economia boliviana mudou nas ultimas décadas. As manufaturas e as minas perderam a antiga centralidade que tinham na economia do país e, com isso, o movimento operário, sua tradicional vitalidade. Isso explica porque a Central Obrera Boliviana (COB para os íntimos) não é mais vanguarda de coisa nenhuma!

Mas quem disse que a COB sumiu? Presente nas marchas que derrubaram o Presidente Carlos Mesa em Maio de 2005

Quem puxa a coisa toda hoje é o Instrumento Politico para a Soberania dos Povos (nome original do MAS), essa aglomeração de organizações sociais edificada por iniciativa dos povos originários e que impulsionou Evo Morales e Alvaro Garcia Linera para a presidência e vice do executivo.

Movimiento Al Socialismo - Foto de Sarah Pabst

Isso acontece porque são exatamente estes que se encontram – desde sua forma milenar de organizar sua economia, cultura, sistema politico, enfim, sua vida comunitária – nas enclaves estratégicas do desenvolvimento neoliberal boliviano: a destruição das plantações de Coca, o avanço do latifúndio e a privatização dos recursos naturais vitais – água, terra, petróleo e gás, fundamentalmente.

Povo Invocado né não?! - Foto de Sarah Pabst

Ó là! Não tem coincidência: Evo Morales era sindicalista cocalero no Chapare e sua liderança nasce na resistencia aos projetos estadunidenses para a Coca e a Confederacion Sindical Unica de los Trabajadores Campesinos de Bolivia (entidade que organiza exatamente as comunidades e os trabalhadores do campo boliviano) foi uma das principais protagonistas na “Guerra del Agua” – onde tudo começou..

Um dos muitos Evos pelos muros de La Paz, e a água.

Evo na telinha, em Copacabana

É deste cenário de lutas concretas por uma vida digna e contra uma elite local retrógrada e aliada ao iperilismo estadunidense que surge o MAS-ISPS.

Mas como assim “desde sua forma milenar de organização”?! Um flashback rapidinho pra tratar disso.

Desde os espanhóis é que a resistencia dos povos originários… resiste! =/ Quando eles chegaram, se depararam com sociedades desenvolvidas (o império Inca tinha “acabado” de conquistar o Império Colla aymará, por exemplo) e não teve outra opção à não ser se sobrepor às mesmas, já que não tinha nenhuma possibilidade de simplesmente erradicá-las. Ou seja, os aymará, os quechuas, os guaranis continuaram se organizando como o faziam antes pero, ao invés de pagar impostos e destacar mão de obra para a realeza Inca, o faziam para a coroa espanhola.

Chola colhendo representando a policultura originária e lancha o liberalismo-imperialista, na Ilha do Sóol..

De forma beeeem simplificada, é assim que os espanhóis garantiram que a prata fosse pra europa e, do mesmo jeito, que a cultura originária sobreviveu hasta los dias de hoy! É claro que os espanhóis, nesse processo, nunca deixaram de tentar corromper todas as autoriades comunitárias para seus interesses – muitas vezes com sucesso – mas, assim mesmo, até hoje mais de 60% da população boliviana se proclama originária de alguma forma!!

Pooooor issoooo, é que não é nenhuma simbologia barata colocar a wiphala – bandeira originária – triunfante ao lado da bandeira nacional no Palácio Quemado (presidencial) na praça murillo; passar a denominar o Estado Boliviano de Plurinacional; ou empossar o primeiro presidente indigena da América Latina em Tiwanaku, capital espiritual dos povos originários desde tempos anteriores ao império Inca.

Wiphala no Palacio Quemado

E as mesmas cores nas mãos das povas

É assim que quem, à muito, não tinha vez em sua própria terra, volta a opinar e dar suas cores nos momentos e lugares que decidirão os rumos da sociedade boliviana e da construção de seu socialismo comunitário, único e criativo, como tudo na Bolívia!

Anúncios

8 pensamentos sobre “Como assim índios no poder?

  1. Gostei do artigo sobre a coca…infelizmente isso me faz ter raiva dos EUA, como sempre metendo o narz onde não é chamado. Pretinha vc já ta de volta…

  2. Mais informação, mais cores, mais lutas …. Esse blog me ensina muiiiito!!!
    A última foto fechou o post com chave de ouro!!!
    É a nova nação mostrando sua cara e anunciando boas novas… o futuro se revela risonho e confiante como o olhar direto das crianças lançado ao fotográfo.
    Sorte aos bolivianos!!
    Desde o Brasil torcemos para que alcancem sua liberdade e autonomia!
    abç enorme!
    Realice

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s