Dió – O Acre não existe! Parte I – Os acreanos e as acreanas

Depois de uma semana no sul do Brasil, saí de Porto Alegre à São Paulo, e de São Paulo a Rio Branco. Viagem tranquila, de avião, com uma madrugada mal dormida em uma das mesinhas do aeroporto de Guarulhos. Nada comparado ao trem da morte, que é muito mais legal!

Hotel em Guarulhos

Em meus planos iniciais o Acre seria destino final da viagem. Dali voltaria para casa. Foi a notícia do nosso grande amigo-poeta César Félix de que iria para o Acre depois de 8 anos que mudou meus planos. Decisão acertada e que têm possibilitado o contato com o povo daqui e com um guia turístico gratuito – ao estilo do Tour Histórico do DCE pela UFSC! Pra quem viaja, sabe que mesmo que se queira conhecer de perto a realidade da população dos lugares por que passa, há um limite estabelecido pela falta de identificação e afinidade entre o viajante e o sujeito do local. No meu caso, não fosse pelo Cesinha, não estaria comendo tapioca com suco de cupuaçu no café da manhã, participando de aniversários de sobrinhos do tio do irmão do cunhado de uma típica família acreana, tendo contato com pessoal do governo, da cultura, indo pra baladinhas e batendo larica num mercado que funciona das 00h às 4h da manhã.

Mas vamos por partes. Os acreanos são simpatissíssimos. Vivem brincando, dando risada, inclusive dos próprios problemas. Pra quem está acostumado com o estado de espírito dos sulistas, principalmente o dos sulistas do interior, o choque é grande. O mesmo vale para a hospitalidade. Além do mais, as mudanças que o Acre viveu nos últimos anos elevou significativamente sua auto-estima, mas isso é assunto para o segundo post. Tudo isso é potencializado pelo fato de meus anfitriões serem da família do Cesinha. A mãe dele, dona Raimundinha, uma acreana de 1,50m, coração do tamanho do mundo, uma pureza só, nos deixa todo dia super à vontade com suas histórias e tapiocas no café-da-manhã (esqueci de dizer, estão comigo mais dox manezinhos amigos do Cesinha, Fernando e Tadeu). Como se não bastasse, os tios do poeta são um mais figura que o outro. Pra se ter uma idéia, o mais comédia se chama Zé Bezerra( ê, fela da puta!!!). E a cada dia chegam pencas de amigos de infância,  de cultura e de política (muitos dos amigos compõem o atual governo, mas isso é assunto para a parte II do post também). Outro grande impacto foram as acreanas. Lindas, a mestiçagem do Brasil deu certo mesmo. O Darça tinha razão.

00h, rio Branco. Na caçamba de uma pampa 94, buscando Fernando no Aeroporto

Raimundinha

Vatapá!

É, a altura não é o forte dos acreanos

Rio Branco é uma bela cidade, ao contrário da imagem que se poderia ter do Acre. Compartilha, obviamente, dos problemas das grandes e médias cidades brasileiras, mas tem seu charme. Surgida como entreposto de escoamento da borracha dos seringais acreanos para Belém e Manaus, Rio Branco nasceu às margens do Rio Acre e se segmentou, desde logo, entre os desgarrados dos dois ciclos da borracha e os coronéis fazendeiros e seringalistas. Aqueles, orindos principalmente do Nordeste em condições semelhantes à escravidão. Os últimos, uma elite branca vinculada aos centros exportadores de borracha e, mais recentemente, fazendeiros vindos do sul e sudeste. À margem, também, ficaram os povos originários, dizimados ou aculturados em nome da expansão dos seringais e da pecuária.

Após a chegada da tchurma toda, iniciamos nossas caminhadas pela cidade, visitando mercados, museus, bibliotecas, o centro histórico, etc. Dicas do Cesinha acatamos todas. Comemos tacacá, quibe de macaxera, creme de cupuaçu, sorvetes variados, tambaqui grelhado. Além de conhecer o lugar, esta passagem pelo Acre tem me dado mais e mais vontade de conhecer a riqueza cultural do restante do Brasil! Quem sabe em 2011?!

Mercado Público de Rio Branco

Tucupi, caldo extraído da macaxera

Pimentismo!

peixes amazônicos

Cesinha na função

Pra aguentar o calor, só um banho de rio

Pra esperar a chuva passar, paciência...

e mais paciência

Dia 31, acompanhamos o Reveillon no centro histórico, com queima de fogos, biritinhas e suspiros pelas acreanas!

Vista do Rio Acre na noite de reveillon

As massas vão às ruas!

É noite de vestir a roupa mais bonita!

Para a ceia, espetinhos, churros, pipocas...

Esperando meia-noite

Ops, descobriram o fotógrafo!

Feliz 2010, trotamericas!!!

Ahhh, as acreanas...

Pra fechar a noite, baixaria!

É isso aí, a Biblioteca tá fechando. Logo mais, a segunda parte do post “O Acre não existe!”: Jorge Vianna, o filho do Acre.

PS.: quanto às fotos, ainda falta a carudagem do Pira e da Anninha, mas logo logo chego lá!

Anúncios

6 pensamentos sobre “Dió – O Acre não existe! Parte I – Os acreanos e as acreanas

  1. E aí Trotamérica!! Não é querendo se achar não óh… Mas o Acre é MARA!! hehe Minha terrinha sabe tratar bem àqueles que por aqui chegam!! huhu E a culinária?! Delícia hein.. sr Bjs

  2. Sabe o que mais me deixa gratificado?…é que esta é uma terra como outra qualquer. Mas que consegue ser diferente em meio a tantas dificuldades enfrentadas pelo seu povo, o Acre, foi o único estado que lutou para fazer parte do território brasileiro, orgulho-me de ser acreano e saber que há um lugar de gente hospitaleira, humilde, e aguerrida. Não quero aqui desmerecer nenhum outro estado. Porém nós vivemos de forma “antagônica” a outros lugares, por que não temos favelas, não vivemos em pé de guerra e nem tampouco falamos mal do povo brasileiro. Ficamos felizes por saber que você nos visitou e o convidamos a voltar quantas vezes quiser. A.Soares acreano na estatura rsrrss

  3. sou filha da terra,mas vivo há 15anos fora de lá…..mas é bem isso que vc falou o povo muito apaixonado pela sua história e principalmente nossos legado de famílias tradicionais e culinária deliciosa….Amo muito tudo isso…Já levei meus filhos várias vezes lá…Parabéns!
    Ah! matéria muito bem feita e sem fugir de sua originalidade e tudo isso mesmo, para quem não conhece vale a pena conhecer….Beijão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s